Moderação da SaferNet elimina ameaças de morte na live da Parada LGBT+ de SP

Crimes na Web

Moderação da SaferNet elimina ameaças de morte na live da Parada LGBT+ de SP

Compartilhar

A 25ª Parada do Orgulho LGBTQIA+ de São Paulo, realizada virtualmente no último domingo (6), poderia ter sido palco para haters, como chegou a acontecer na edição de 2020, mas a ONG Safernet -- à convite da Dia Estúdio, que transmitiu a parada -- fez uma moderação inédita de discurso de ódio em parceria com a empresa e reduziu a zero as mensagens com ameaças ou menções à morte na edição do evento deste ano.

Ao todo, 13 canais transmitiram ao vivo a Parada LGBTQIA+ paulista. A experiência da Safernet foi realizada no canal da Dia Estúdio, o de segunda maior audiência na edição deste ano, com 360 mil visualizações, sendo superado somente pela plataforma do canal Diva da Depressão, com quase 431 mil visualizações.

O intuito da Dia Estúdio ao procurar a Safernet, para além de monitorar as mensagens, denunciar e pessoas que entravam no canal do estúdio para disseminar discurso de ódio, era estruturar a moderação de conteúdo do evento e encaminhar corretamente comentários homofóbicos, racistas, preconceituosos e intolerantes.

A Safernet usou o sistema de moderação do YouTube e ampliou o filtro para 874 palavras, acrescentando termos usados pelos haters em 2020. O resultado foi que nenhuma mensagem contendo ameaça ou menções à morte foi registrada no canal da Dia Estúdio entre os 59.147 comentários postados por 9281 usuários do YouTube que assistiram à parada pela plataforma.

Na parceria realizada com a Dia Estúdio, a Safernet colocou à disposição o seu hotline de denúncias: denunciar.org.br para o qual foram enviados 101 comentários com mensagens homofóbicas - sem menção à morte - captados pela moderação humana e virtual da transmissão da parada, e que serão encaminhados às autoridades competentes.

A moderação virtual e humana das mensagens de ódio contra a Parada LGBTQIA+ 2021 ocorre em um momento em que o hotline da Safernet registrou um aumento de 106,3% nas denúncias de conteúdo LGBTfóbico na internet. Entre 1 de janeiro e 15 de junho de 2021 foram 2529 denúncias únicas, contra 1226 no mesmo período do ano passado.

A Safernet distribuiu ainda aos parceiros um miniguia para criadores de conteúdo sobre como lidar com discurso de ódio -- voltado ao público LGBTQIA+. O guia sugere que o discurso de ódio seja tratado pelo modelo 5 R´s: reportar, reduzir, remover, recompensar e responsabilizar.

  • reportar - denunciar o conteúdo de ódio nos canais corretos;
  • reduzir - diminuir o alcance do discurso de ódio, desmonetizando-o, se for o caso;
  • remover - tirar de circulação conteúdos que violem as políticas de discurso de ódio da plataforma;
  • recompensar - incentivar as vítimas de discurso de ódio a denunciar;
  • responsabilizar - aplicar a lei sobre quem espalha discurso de ódio.

Para Juliana Cunha, diretora de projetos especiais da Safernet, “eventos com grandes audiências e muita visibilidade que podem causar reações polarizadas precisam incluir em seu plano de comunicação estratégias para responder ataques virtuais”.

A experiência permitiu à Safernet concluir que é preciso também criar ferramentas que bloqueiem emojis e símbolos nas ferramentas de filtragem de palavras nas plataformas de transmissão.